Assuntos relevantes voltados ao transformador

Em 1831, um físico chamado Faraday observou que uma espira em curto circuito se movendo em um campo magnético (gerado por um imã) faz fluir uma corrente pelo condutor.

Essa descoberta deu origem a um dispositivo eletrônico muito usado até hoje: o transformador.

Neste artigo, você vai entender o que são os transformadores, quais os seus tipos e quais as suas aplicações.

O que é?

Um transformador, de maneira geral, possui três funções: transformar correntes, transformar tensões e transformar impedâncias.

Com isso, ele promove uma melhor organização de qualquer instalação elétrica e, mais do que isso, potencializa o desempenho da mesma.

A capacidade de um transformador é medida em quilovoltampere (kVA). Basicamente, é uma unidade de medida que representa a relação tensão x corrente.

Assim, falar Transformador de 250 kva significa que o transformador trabalha com a capacidade de 250 voltamperes multiplicados por dez elevado a três e, mais do que isso, mostra a quantidade de força ativa e reativa com a qual ele opera.

Tipos de transformador

Os transformadores podem ser categorizados por mais de uma maneira. Primeiro, podemos classificar os transformadores em três grandes grupos: os monofásicos, os trifásicos e os polifásicos.

Os primeiros são os menos potentes e fazem conversões simples, como passar uma corrente de 110V para 220V.

Os trifásicos, mais usados em indústrias e em sistemas elétricos de maior alcance, são mais potentes – transformam voltagens de número com de 5 digitos em voltagem com número de 3 digitos (como a 220V).

Já os polifásicos variam de 4 a 6 fases e o seu uso é mais raro, para a retificação de medida de onda.

Outra forma de categorizar esse dispositivo é por meio de sua finalidade. Isto é, considerando qual é a sua aplicação prática.

Como foi dito, eles transformam tensões, correntes e impedâncias. Mas, quando se para para observar o dia a dia e o seu uso, as funções vão muito além disso.

É possível citar:

  • Conversor de voltagem;
  • transformador de corrente;
  • Transformador de potencial;
  • Transformador de força;
  • Transformador de distribuição;
  • Elevador e abaixador de tensão.

O primeiro é o tipo mais simples, utilizado nas residências. Monofásico, serve para que produtos feitos para uma corrente de 220V possam ser ligados a uma tomada de 110V.

O transformador de corrente é capaz de fazer uma corrente alternada virar uma corrente contínua ou de fazer uma corrente contínua virar uma corrente alternada. Mais do que isso, ele é usado nas indústrias para medir e para detectar correntes elétricas.

O transformador de potencial, por sua vez, muda os valores de tensão que chegam a uma bobina primária.

Já os transformadores eletricos de força têm uma utilidade muito específica, as usinas e concessionárias de energia.

Mas, considerando as indústrias, os transformadores de força podem ser utilizados em subestações.

No transformador elevador e abaixador de tensão, existe um mecanismo muito simples.

O número de espirais nas bobinas define se ele irá abaixar ou elevar a tensão de determinado sistema. Para elevar, é preciso que haja um numero maior de espiras na segunda bobina em relação à primeira. Para abaixar, é preciso que haja um número menor de espiras na segunda bobina em relação à primeira.

Para terminar, existe uma última forma de separar os transformadores em classes: aqueles com núcleo de ar, aqueles com núcleo de ferro e aqueles com núcleo de ferrite.

Outras informações

Quando se trabalha com sistemas elétricos, um termo que se escuta bastante é o Auto transformador.

Esse termo se refere a um transformador que possui apenas uma bobina com espiras e, ao invés de trabalhar com uma entrada e uma saída, trabalha com uma entrada e diversas saídas.

Embora não possa ser usado em diversas das funções citadas acima, ele pode apresentar vantagens em relação ao transformador comum quando em determinado contexto.

Outra informação pertinente é acerca do Conserto de transformador.


A dica é não esperar que um defeito apareça, mas realizar manutenções preventivas.

Essas manutenções podem identificar o nível de desgaste de algumas peças (como válvulas), possíveis vazamentos e outras situações.

Assim, não se arrisca a paralisação das atividades industriais nem a danificação do equipamento.

Por fim, conclui-se que o mundo dos transformadores é muito amplo.

É crucial estar sempre bem informado e contar com um especialista todas as vezes em que for necessário. Afinal, com energia elétrica não se brinca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *