Qual a diferença entre eletroduto e eletrodo?

A eletricidade como tecnologia é um conceito relativamente recente, pois têm – de fato – poucos séculos de existência.

O nome deriva-se de elektron, que em grego significa âmbar. No entanto, o nome se refere ao que se imagina ser uma partícula, cujo conceito vem sendo usado para explicar reações químicas, físicas sub-atômica, além de nomear as ciências que compõem a eletricidade como a eletrostática, a eletrodinâmica e a eletrônica.

Eletricidade

Um dos termos mais frequentemente usados nessas ramificações é o eletrodo, que caracteriza um terminal de acesso a um circuito.

De modo geral ele pode servir como ponto de medição, como acesso ao disparo de um processo, permitindo o fechamento de um circuito (ou o ramo de um circuito).

Assim, o Eletrodo de ignição para queimadores pode ser visualizado equivalendo a uma vela de ignição.

A “arte” consiste em submeter um par de contatos elétricos, próximos um do outro, a uma tensão tão elevada, que o ar próximo a esses contatos (eletrodos) acabe se ionizando e provocando o salto de uma centelha.

Se, por acaso, misturado com o ar próximo aos eletrodos, houver gás inflamável ou combustível aspergido, pode vir a ocorrer uma explosão, de porte proporcional à quantidade de material inflamável no ambiente.

Para um queimador, uma ignição assim permite sustentar por tempo indeterminado a queima; já em um motor a explosão, a queima deve durar milissegundos e se repetir dezenas de vezes por segundo.

De fato, qualquer Aquecedor a gás, ambiental ou de água, pode ter eletrodos de ignição similares aos de um queimador a gás industrial.

Eletrodutos metálicos

Dotado de pronúncia semelhante, o eletroduto é matéria-prima para uso em eletrotécnica e em engenharia civil.

O item possibilita criar, no interior das alvenarias, os caminhos que alojarão cabos como funcionalidades elétricas e eletrônicas. Assim, possibilitando a distribuição elétrica pelo imóvel.

O equipamento possibilita ainda a retirada ou a substituição da fiação caso o serviço assim o exija.

O eletroduto pode ser metálico ou plástico. Para se ter uma ideia, o Eletroduto galvanizado 1 2, metálico, é geralmente usado em instalações aparentes, que dependem de resistência mecânica. Já a galvanização confere resistência a umidade e corrosão.

Neste ponto, vale destacar que a galvanização é sinônimo de zincagem.

A aplicação de Zinco a fogo foi descoberta no final do século XVIII, e permitiu proteger o aço Carbono contra oxidação, por água condensada e vapor de água em suspensão no ar, além de outros reagentes químicos.

Já a galvanização, é um processo eletrolítico descoberta no início do século XIX, mas recebeu o nome homenageando Luigi Galvani, biólogo italiano (contemporâneo de Alessandro Volta), descobridor da eletricidade animal, que trafega via tecidos nervosos.

Uma classe diferenciada são os eletrodutos a prova de explosão. Explica-se: existem aplicações de instalações elétricas que necessitam operar em áreas classificadas, locais que são beneficiados produtos inflamáveis, como:

  • Gasolina;

  • Etanol;

  • GLP;

  • Óleo Diesel;

  • Metanol, entre outros.

São produtos altamente voláteis, nos quais os vapores, em presença de ar, podem se tornar inflamáveis.

Assim, caso os equipamentos elétricos estejam sujeitos a produzir centelhamento, devem ser acomodados em gabinetes especificados como vedados contra propagação de explosões.

Vale frisar que essas condições do eletroduto são obrigatórias, de forma a evitar que a instalação gere algum problema futuro ou ainda ameace o funcionamento e/ou segurança da estrutura.

Eletrodutos de plástico

Fabricados em PVC, eletrodutos plásticos devem trazer certificação contra propagação de chamas, o que hoje é uma exigência.

Os Eletrodutos de PVC rígido são também indicados para instalações elétricas aparentes, para as quais têm pouca Resistência.

Por outro lado, eletrodutos corrugados são pouco indicados para instalações expostas. De fato, são comumente embutidos em concreto e alvenaria.

Disponíveis em rolos, eles medem em média 50m, tratam-se de Tubos plásticos flexíveis. Esse item adapta-se mais facilmente ao trajeto no espaço disponível e possibilita extensões mais longas que as de eletrodutos rígidos, demandando menos emendas.

Sua montagem complementar pode ser feita sob medida, o que facilita o trânsito de cabos durante a execução da fiação projetada, ou nos casos de expansão.

Assim, eletrodutos flexíveis simplificam o projeto físico, reduzindo o número de itens na lista de Material elétrico a ser adquirido. Eles reduzem ainda os prazos para a duração de obras e reformas, com impacto na mão de obra.

Os eletrodutos flexíveis simplificam a logística: veículos compatíveis com lances de 3 e de 6m de comprimento são lentos, demandam espaço de manobra e de estacionamento.

Do mesmo modo, componentes com essas medidas implicam recursos diferenciados para movimentação na obra e ascensão aos pavimentos em processo de concretagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *